PORQUE HOJE É SÁBADO

1 – A carestia dos tempos de Sarney está voltando. E voltando a galope. Você que faz feira sabe disso. Só não sabe o genro que fila a bóia do sogro, o filho que não trabalha, o malandro que sobrevive comendo às custas dos outros nos restaurantes e os ricos que gastam e não sabem o que é liseu.

 

2 – Quem acompanha a alta da moeda estrangeira também está sentindo. O dólar já está perto dos cinco reais, o Euro já passou disso, quem viaja ao exterior sente na pele. Pode ser que agora, com o coronavirus, os viajantes aquietem o facho e a moeda caia um pouco. Mas do jeito que está, subindo, subindo e subindo, dentro de breves dias estará fora do alcance do brasileiro de médias posses.

 

3 – E na feira? Quem a fazia com 200 ou 300 reais, agora bota pra fora o salário todo. E não leva quase nada. Carne, só a mijada. E sem lavar, porque o sabão está caro. Só compra o básico, um quilo de feijão, outro de arroz, uma lata de óleo e meia dúzia de ovos.

 

4 – Um quilo de carne por 30 reais. E carne com osso, porque a dita carne nobre, aquela molinha que o sujeito come sem precisar morder, essa está pela hora da morte. Só quem come é rico.

 

5 – Tô lembrando dos tempos de Sarney. A gente saía pela cinco da manhã e ficava na fila da carne esperando pela boa vontade do vendedor. E este, todo imponente, todo importante, ditava regras e ensinava comportamentos. Quem não obedecesse, voltava para o rabo da fila. E ainda lembro da alegria que sentíamos quando conseguíamos um quilo de chã e o apresentávamos à esposa como um troféu típico de copa do mundo.

 

6 – Mas tem gente gostando. Vocês já ouviram falar do masoquista, aquele que só se realiza apanhando? Pois tem gente masoquista gostando e achando bom. Quanto mais apanha, mais pede chibata. E se alguém achar ruim em seu nome, vai logo dizendo: “Mas eu gosto!”.

 

7 – O radialista Maurílio Batista mandou uma mensagem ao governador João Azevedo sugerindo o nome de Domiciano Cabral para ser interventor em Bayeux. E justificou: “Será uma forma do senhor agradecer a quem lhe botou na política, nomeando-o secretário de Sara na Prefeitura de Bayeux.”

 

8 – Ontem fiquei sabendo que Maurilio e João Azevedo foram colegas, ambos secretários da Prefeitura de Bayeux na administração de Sara Cabral, que vem a ser esposa do Domiciano que hoje ele defende para o cargo de interventor.

 

9 – Mas bem que poderia ser Padre Albeni Galdino. De administração ele entende. Administra com a destreza de um craque os 12 contracheques que lhe pagam ao final de cada mês.

 

10 – Chuva no sertão, e muita. Meu amigo Eduardo Abrantes disse que até o Jatobá de Princesa pegou água. Esta já chegou ao paredão e pode subir até o sangradouro. Basta que continue chovendo.

 

11 – E lá se vão meus abraços sabadais para Amanda Rodrigues, Sandra Marrocos, Marcia Lucena, Edilane Araujo, Dorinha, Neci e Nininha Lucena, Cacilda, Niâni, Emília, Priscila, Mariana e Andréia Lucena, Raquel Lucena, Sandra Coutinho, Raquel Coutinho, Patrícia Coutinho, Fátima Ventura, Raquel Ingrid, Paloma Gondim, Cláudia Carvalho, Maisa Felix, Maisa Araujo, Maria Alves e Wanderléia Gadi.

 

12 – Walmor Andrade chegou em um restaurante de Campina Grande e pediu ao garçom:

-Me traga um quilo de carne.

-O senhor me desculpe, mas acho que não vai aguentar comer um quilo inteiro de carne.

-Ora essa, rapaz, eu como minha mulher todo dia, que pesa 100 quilos.

Site Footer

Sliding Sidebar